11 de fev de 2012

33 - AH, SE FOSSE ASSIM...



Tento escutar, escuto como se fosse um grito,
esse  sentimento represado no abandono
com que nos entregamos a cada dia que começa.

( quantos já matamos a tiros, à bruta, desnecessariamente,
desses fins de noite que são, afinal,
apenas promessas de novas manhãs...?)

Mas apenas os passos ficam mais audíveis,
nisso que podiam ser carícias, e  são apenas solas
conformando-se à pedra áspera do momento.

Nelas houvesse o encanto, que deve compor as manhãs,
e não aquele esfarelar de tempo cru,
por entre dedos descuidados...

Nelas se dissesse baixinho, quase só com a mente,
uma prece agradecendo o cheiro do pão,
e os risos nos olhos, antes de rir.

Nelas as pedras não esquecessem,
afastadas do pó,
as memórias dos caminhos...


(Agosto 2009 )

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário é precioso para mim!
Comente, por favor :