23 de set de 2013

88 - INVEJA




              

                Essa luz que some e se embaça,
                É o fim qualquer de mais um dia...
                tela fina que só de ser olhada se esgaça
                e que se fosse  tocada se desfaria…
                Invejo, sim, esse tempo  diminuindo,
                sempre encurtando-se,
                reduzindo-se, afastando-se, indo,
                como se longe não fosse bastante ,
                e desse horizonte  restante,
                de Poeta,  sempre pretendido além do que está,
                parecendo já ali, quando é muito mais lá,
                cheio de paradoxos, realidades,
                impossibilidades,
                e perigosos bichos –temores , 
                incontornáveis razões
                - e  finalmente aquela dores !
                que, como se sabe bem,
                um Poeta sempre   tem .
                Traz consigo aquela doçura especial,
                talvez carícia meio secreta.
                Com a qual desafia a vida , dia após dia,
                tem com ele o que dele faz  Poeta
                e a saudade, a tal, 
             que torna o resto  em  Poesia.

MOMENTO - PEDRO ABRUNHOSA