6 de fev de 2017

142 - CHÃO E CAMINHO





Às vezes, o tempo
é só essa amplidão deslumbrante.
Uma espécie de silêncio vago
com que nos embotamos,
enquanto desfocamos os sentidos
de quase tudo o que nos rodeia.

Restante fica uma essência,
uma partícula de nós que segue,
indo sempre,  sempre, 
e que muda, que sobrevive e se adapta
no improviso mal compreendido
a que a vida nos obriga.

Como cumprir destinos ?
Acaso o chão divide com os passos
o peso de ser caminho?