2 de abr de 2017

145 - PERPETUANDO-SE



Um dia decidi levar-te, Poeta,
aos lugares onde se passaram histórias
das quais mal me  lembro.
Clareiras de luz diferente no meio do bosque,
que entretanto  se agigantou em tons de verde pardo
e tapetes espessos de caruma antiga.

Terias apenas de descobrir os gestos
de acariciar as pedras que os Poetas acariciam,
tão comuns às suas mãos tacteantes, sensoriais.
Terias apenas de enfiar-lhes os dedos por debaixo do musgo,
aos poucos, em carícias cada vez mais íntimas ,
até lhes sentires nas palmas das mãos os formatos arredondados ,
e te maravilhares tu também com o calor suave emanando delas,
em secretíssimos prazeres.

Darias voz ao mutismo das sombras das árvores,
que até aí dançavam só para mim.
E mais brilho às lágrimas de resina
com que ocasionalmente as árvores se traíam
por entre a rude casca, em emoções de árvores,
dissimulando a sua humanidade.

Quis levar-te e partilhar contigo momentos especiais…
Talvez exibir-me um pouco. Talvez, ufano, quisesse
que me visses terminar de crescer, e fosses  testemunha
de um novo caminho iniciando-se.

Só não esperava ser capaz de surpreender-te novamente.

De ouvir-te as mesmas palavras como látegos,
sibilando até me atingirem a alma
com a fremencia das coisas
num paroxismo particular dos sentidos.

De permanecermos dependentes e paralelos,
depois de tudo,
dentro do acordo que criámos juntos,
ao qual um outro dia daria um fim
do qual hoje desisto.

Sigamos pois juntos, sim! Nas mesmas veias, na mesma verve,
no mesmo eco do Tempo ( Tempo… Tempo… Tempo… )
reverberado entre palavras de rocha viva.


19 de mar de 2017

144 - TALVEZ POR UM MOMENTO


Resultado de imagem para BIRDS SINGING

Talvez por um momento
eu possa apontar no teu destino
a breve nota de um instante.
Quem sabe ? Nem acho que seja muito…

Apenas uma breve nota,
como um chilreio de passarinho
desses mais normais, duma manhã qualquer,
dando vida a alguma clareira mágica
desenhada por um raio de luz
e um quase-silêncio feito de paz.

Talvez possa dizer-te que hoje
é o mais importante dos teus dias,
se me escutares…
Se o ruído de tudo o que não és,
e o grito renascido do que já esqueceste
não se  impuserem ao teu momento.
E a ti, hoje e agora…

Sim, hoje é o mais importante dos teus dias,
porque nessa corrida para o espelho
que agora fazes, em ânsia de alguma coisa,
não conta o que tenhas já feito, mas sim…
que hoje é véspera de amanhã.

E amanhã é quando o futuro começa,
e por isso ainda podes escolher
quais o momentos e quais os cantos, 
de quais passarinhos,
pretendes ouvir naquelas clareiras encantadas,
desenhadas por raios de luz dourada
em alguma manhã qualquer, quando a paz
te for uma preciosidade, no quase-silêncio.

Por isso, acho que nem quero muito!
Apenas recordar-te que as manhãs são tuas.
E que os chilreios nunca chegam sozinhos,
mas  sempre que  escolhemos não censurar o Tempo,
- e não nos censurarmos -
até finalmente esquecermos
de tudo o  que já não somos,
e nos abrirmos ao instante.

Os outros, olha…
São só os outros,
de outros momentos.

Até amanhã.
Que chegues bem !



2 de mar de 2017

143 - SE FOSSES INSTANTE



Se fosses instante,
só contarias de mim  a história
que o teu manto mínimo cobrisse.

E talvez morresses cedo,
como uma palavra que só começa
e logo se afoga em emoção.

E talvez depois fosses lágrima,
não importando que olhos
te reconhecessem a impermanência.

Ou talvez um pequeno degrau
já bem alto, nessa escadaria imensa
onde equacionamos a eternidade.

Mas se fosses instante,
só contarias de mim uma história
que tivesse o teu tamanho.

Já eu, conto em palavras permanentes
lágrimas e histórias  de eternidades
em emoções de qualquer tamanho...


6 de fev de 2017

142 - CHÃO E CAMINHO





Às vezes, o tempo
é só essa amplidão deslumbrante.
Uma espécie de silêncio vago
com que nos embotamos,
enquanto desfocamos os sentidos
de quase tudo o que nos rodeia.

Restante fica uma essência,
uma partícula de nós que segue,
indo sempre,  sempre, 
e que muda, que sobrevive e se adapta
no improviso mal compreendido
a que a vida nos obriga.

Como cumprir destinos ?
Acaso o chão divide com os passos
o peso de ser caminho?


24 de jan de 2017

141 - VÉU NEGRO





Num intante se espalha uma bruma, um véu
feito de  preconceito e  coisas já esperadas,
insidioso e que não nos vê apenas como réu
mas como culpado em causas já julgadas...

Presume motivações, interesses específicos,
condena e pune com cruéis vergastadas,
pessoas, ideias, coisas apenas afloradas,
amores simples, amanheceres magníficos...

E divide o mundo em dois, racha-o ao meio.
De um lado as coisas más, do outro as boas.
Ignora as paixões, exclui a alma das pessoas,
E esquece todo o resto que fica de permeio.

Logo surgem aqueles que pretendem dominar,
e aparecem os que só querem ser dominados,
e é com essas tenazes que se vêem agarrados
os de passos singelos, que tentavam caminhar...

Parece que o mundo não é tão simples, mas é.
Morrem aqueles que alguém despreza e mata.
Não se pode negar um nó que ninguém desata:
-não há guerra que seja santa, ou feita pela fé.

Que fé é essa ? Em que deus desamado ?

Que fé ?


copyrightHenriqueMendes ( texto )
foto colhida na net