2 de abr de 2017

145 - PERPETUANDO-SE



Um dia decidi levar-te, Poeta,
aos lugares onde se passaram histórias
das quais mal me  lembro.
Clareiras de luz diferente no meio do bosque,
que entretanto  se agigantou em tons de verde pardo
e tapetes espessos de caruma antiga.

Terias apenas de descobrir os gestos
de acariciar as pedras que os Poetas acariciam,
tão comuns às suas mãos tacteantes, sensoriais.
Terias apenas de enfiar-lhes os dedos por debaixo do musgo,
aos poucos, em carícias cada vez mais íntimas ,
até lhes sentires nas palmas das mãos os formatos arredondados ,
e te maravilhares tu também com o calor suave emanando delas,
em secretíssimos prazeres.

Darias voz ao mutismo das sombras das árvores,
que até aí dançavam só para mim.
E mais brilho às lágrimas de resina
com que ocasionalmente as árvores se traíam
por entre a rude casca, em emoções de árvores,
dissimulando a sua humanidade.

Quis levar-te e partilhar contigo momentos especiais…
Talvez exibir-me um pouco. Talvez, ufano, quisesse
que me visses terminar de crescer, e fosses  testemunha
de um novo caminho iniciando-se.

Só não esperava ser capaz de surpreender-te novamente.

De ouvir-te as mesmas palavras como látegos,
sibilando até me atingirem a alma
com a fremencia das coisas
num paroxismo particular dos sentidos.

De permanecermos dependentes e paralelos,
depois de tudo,
dentro do acordo que criámos juntos,
ao qual um outro dia daria um fim
do qual hoje desisto.

Sigamos pois juntos, sim! Nas mesmas veias, na mesma verve,
no mesmo eco do Tempo ( Tempo… Tempo… Tempo… )
reverberado entre palavras de rocha viva.