10 de fev de 2012

32 - SAUDADE


Últimamente, dei  por mim a pensar em saudade.
Não aquela coisa agridoce.
Não apenas isso a que uma palavra veio dar substância,
em  olores  de exclusividade lusa e inclemente.

Mas a fome na alma, enfática,
o buraco negro  perseverante, chato,
que me vem reordenando os sentidos e
resignificando  gestos que eram livres,
e agora já não são...

Nas memórias, sobrenadam nadas,
coisas hoje sem aplicação, de menino.
( Vista da cama, a ponta do ramo do pessegueiro
nasce na janela, fininha, só com três folhas.
Não pode comigo. Não posso descer .
Em baixo há arame farpado.
E ao longe o mar azul nos meus olhos castanhos,
gritando distância. )

Nas vontades,
misturam-se  sabores de momentos  espalhados,
como pérolas correndo soltas pelo soalho.
Querer mergulharoutra vez junto ás rochas,
lá   onde as ondas  mentem  trajetórias de espuma
( E como é salgado o sangue, mesmo no mar...).

Nos remorso, empoeirado embora,
escutar sem apelo o queixume subterrâneo de um chão
que pouco me viu fazer,
e o ciúme dos passos  que espalhei de mim pelo mundo
como se fossem palavras num papel.

Gotas de tinta, transformando-se  em linhas,
erráticas, somando-se até serem um eu concreto,
crescente, pesado de manter.

Nas alegrias, desnudando-me de valores,
sentir sobre mim a luz suave dessa benção maior
de ser assim, sentir as coisas, vibrar com elas,
até saber-lhes as histórias e os caminhos.

E na dor, a memória vívida de tudo quanto é bom
cruzando-me o peito ...

Como uma cicatriz.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário é precioso para mim!
Comente, por favor :