31 de dez de 2015

118 - O ÚLTIMO TEMPO




O tempo passava num instante.

O mágico lançou para a lua uma última olhada triste,
numa despedida que era apenas um silêncio
disfarçado de suspiro.

Depois, sentindo que ainda faltava alguma coisa,
deixou àquela pedra redonda, onde estivera sentado,
um único pensamento que já era de adeus:
“ –Estou a sentir-me como tu, pedra!”

E então foi-se embora, seguindo o seu caminho.
Já nem escutou  o que dizia a voz da pedra,
baixa e acostumada a não ser ouvida:

“- Ah, coitado! Também te dói o coração?”


( ÚLTIMO PEQUENO TEXTO DE 2015 foto colhida na net, sem autoria conhecida )

3 comentários:

  1. Sí querido amigo, a veces también duele el corazón ante un adiós impostergable. Un abrazo querido amigo y gracias por tan conmovedor poema.

    ResponderExcluir
  2. (Último pequeno comentário de 2015)
    Então o tempo ainda deu tempo para um breve momento de magia...
    A lua lançou um sorriso e a dor do coração suavizou!

    ResponderExcluir
  3. Fazes magia com as palavras. Lindo!!!

    ResponderExcluir

Seu comentário é precioso para mim!
Comente, por favor :