21 de abr de 2012

41 - ? COMO NO ?





?Como no?
Claro que las escuchas
a esas voces que sonan memórias de montaña!
Que hablan de las causas más profundas de los relevos
al quebraren la indulgencia monocórdica de las mañanas,
tan derramadas por las planuras de los campos
en oro de pan y cielos de puro azul...

? Se no las escucharas, como podrias saber
que hay gritos de verde en las memorias de las piedras
anidadas en los suelos de nuestros camiños,
y que el tiempo es su aliado, cuando las acaricia y desgasta,
y las reduce al polvo donde, sin fecha marcada,
firmamos echos en pisadas y plantios?

( ?No es eso que es vivir ?
Decidir a toda hora
se los camiños se cumplen en pasos,
o se son los pasos que se cumplen en camiños? )

5/12/2009


(foto: António Mendes )

2 comentários:

  1. Aqui, meu caro, seus versos me tocaram não apenas pela beleza intrínseca que eles têm, como também pela originalidade do pensamento e as imagens.

    Fico muito honrado em ter sido eles me dedicados, porém lamento que meus parcos conhecimentos linguísticos não me possibilitem de agradecer-lhe na língua em que os versos foram escritos.

    A última estrofe (como bom poeta, noto que você não esquece da "llave de oro"...) evocou-me um belo poema de Antonio Machado ("Caminante no hay camino..."), não sei se você o conhece. Porém, como alusão, apenas, a caminho e passos. E remeteu-me também a um milenar adágio oriental que diz que "um caminho de mil léguas começa sempre por um primeiro passo".

    É, como já disse, essa sábia mistura de informal e filosófico que distingue suas tão belas letras, meu caro Henrique. É um prazer poder voltar a vir aqui e admirá-las enquanto reflito na profundidade que elas tem.

    Sim, meu amigo, eu gostei. E muito. Obrigado.

    Um bom domingo, e um forte abraço.

    André

    ResponderExcluir
  2. Meu amigo, Henrique,

    Que bom ver aqui a sua dedicatória ao nosso amigo comum e grande poeta, André Bessa, merecídissima e bela.

    Caminhos e passos, por onde se dirigem e nos dirigem, sempre a incógnita a permear as nossas questões mais íntimas. Belo poema!
    Abraços
    Celêdian

    ResponderExcluir

Seu comentário é precioso para mim!
Comente, por favor :