22 de mai de 2011

1 - MAIS DO QUE EM PEDRA


Mais do que em pedra,
mais do que na dureza fria resistente ao desacato dos dias,
queria saber escritas no Tempo as minhas palavras.

Acalento a esperança pretenciosa
de que algumas possam existir
que alguém torne suas, e as guarde profundamente,
acrescentando-lhes uma sobrevida própria,
já independentes de mim, seu criador.

E que assim se eternizem por mais um pouco,
talvez apenas o tempo de um sonho que provoquem.

E que, de todas as vezes,
sejam elas a recriarem-me, se forem lidas,
e a evocarem-me, se forem lidas uma segunda vez.

(  E a sustentarem-me como memória, se guardadas:
- um pedaço de mim alforriado, intemporal,
olhando-me diretamente nos olhos,
profundamente,
sem jamais dizer adeus... )


(imagem colhida na net, sem identificação )

.

Um comentário:

  1. As palavras que fiquem como tatuagens na memória de quem as tomou para si e que o poeta um dia as delineou em versos extraídos de sua alma e de alguma forma torná-la perene. É um sonho possível, já que as suas palavras sempre trazem em si tanto sentimento.
    Texto lindo!
    Um abraço,
    Celêdian

    ResponderExcluir

Seu comentário é precioso para mim!
Comente, por favor :