7 de mai de 2016

126 - QUANDO CHEGARES





Quando chegares para almoçar
irei abrir-te a porta, e saudar-te-ei
como se fosse normal ter-te aqui,
para que não te sintas uma visita.

Apenas me importa que sejas, amigo ou amiga,
parte de um preciosíssimo instante .
E único,  como sempre o devem ser 
os amigos e as amigas e, com eles,
os preciosos instantes.

Iremos comer naquela varanda olhando o rio
e ficaremos santamente bêbados e alegres,
abençoados pela tarde que passa, terna,
prolixa  em cores tintas de vinho e sol
reflectidas nessas águas que se vão indo…
Indo! Afastando pedaços de espelhos e de céu,
e de núvens que, passado um pouco, já não estão…

( tal como tú não estarás, dentro em pouco,
e continuarás não estando
até que te sintas  convidado  e voltes a este instante
em que beber vinho na varanda, vendo as águas indo-se,
te torna bendito pelos deuses antigos
que ainda vivem nos finais de tarde,
de algumas tardes assim...
De alguns dias,
nos dias de alguns Poetas… )



copyrightHenriquemendes


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário é precioso para mim!
Comente, por favor :