3 de jun de 2013

69 - TODOS OS DIAS


















Todos os dias surpreendo as minhas palavras.
Ignoro os esconsos dos meus caminhos tantos
e os sons frescos das madrugadas.

Caminho por eles com passos desconhecidos
num ritmo de vez primeira
em caricias tacteantes de vez primeira
esculpindo  anseios em gestos de luz.

Procuro-me onde estiver,  sempre,
numa sucessão do que acabam por ser regressos
e bater de portas cinzentas
sem madrugadas alongando-se
contra o tempo
e contra a morte cruel do instante
que queria eternizado.

Todos os dias
as minhas palavras se torcem em versos
ruminam aquelas frases ditas de mil maneiras
até por mim mesmo,  noutras horas,
e são cozinhadas neste sangue
que é um só, e espesso,
e único como um nascer de sol.

Todos os dias
me assino no tempo
e desenho indelévelmente  esse traço
como uma corda que a vida vai tangendo
e dedilhando com unhas de artista


e que, ocasionalmente, 
soa a mim.





Lisboa 3.06.2013

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário é precioso para mim!
Comente, por favor :